Foto: David Alves

Análise da dinâmica do emprego setorial de 2014 a 2015

Organizadores: Brunu Amorim e Carlos Henrique L. Corseuil | IPEA 

Ao longo de 2015, observou-se uma deterioração em aspectos importantes do mercado de trabalho brasileiro, revertendo uma tendência de melhora que durou aproximadamente uma década. Dois indicadores emblemáticos do mercado de trabalho, a taxa de desemprego e a taxa de informalidade captam essa reversão, ainda que com intensidade diferenciadas.

Sem dúvida, o indicador com trajetória mais preocupante é a taxa de desemprego. Dados da PNAD Contínua do IBGE mostram que a taxa de desemprego no terceiro trimestre de 2015 alcançou 8,9%, ficando bem acima do verificado para o terceiro trimestre de 2014, quando registrou 6,8%. Há que se mencionar que uma parte desse crescimento veloz pode ser explicada pela pressão da oferta, uma vez que houve um crescimento da taxa de participação de 60,9% no terceiro trimestre de 2014 para 61,4% no terceiro trimestre de 2015. Ainda assim, um crescimento de dois pontos de percentagem é algo que merece uma atenção especial, dado o possível impacto sobre bem-estar social.

Baixe a nota aqui 

Leia Também

Carta 37 | Esperança e Mudança, uma homenagem ao Dr. Ulysses Guimarães e a Constituição Cidadã de 1988

Apresentação da edição 37 da Carta Social e do Trabalho