Carta 05 | Estagnação econômica e mobilidade social no Brasil

Nos últimos 26 anos, a economia brasileira esteve semi-estagnada. Entre 1982 e 2006, a taxa de crescimento anual médio do PIB foi de apenas 2,5% ao ano, contrastando com a média superior a 7% verificada entre 1945 e 1980. Esse desempenho recente aprofundou a crise social. Os rendimentos do trabalho declinaram, a concentração da renda permanece estável entre as piores do mundo, o desemprego e o trabalho precário atingiram patamares inéditos. Os baixos salários, a elevada rotatividade e a desigualdade entre os rendimentos do trabalho – perceptíveis mesmo nos períodos de elevado crescimento econômico – acentuaram-se nos últimos 26 anos de estagnação.

Entretanto, mesmo nessas condições estruturalmente adversas do mercado de trabalho brasileiro, a mobilidade social foi ascendente entre 1945 e 1980. Em contraste, nas últimas décadas, os canais de ascensão social sofreram profundo estreitamento. Uma das faces do longo ciclo de estancamento da mobilidade social é o “rebaixamento” social e econômico da classe média brasileira. Esta edição da Carta Social e do Trabalho é dedicada à análise desse processo de crise da mobilidade social e ocupacional e empobrecimento da classe média.

Esta edição foi organizada por Eduardo Fagnani e Marcio Pochmann e conta com artigos de Waldir Quadros, Valéria Cristina Scudelér, Josiane Fachini Falvo, Vinicius Gaspar Garcia, Daniel de Mattos Höfling, Davi José Nardy Antunes, Denis Maracci Gimenez e Alexandre Gori Maia.

Clique aqui para baixar a versão PDF da edição

Leia Também

Potenciais impactos das mudanças recentes da legislação trabalhista no emprego formal das pessoas com deficiência.

Artigo de Vinicius Gaspar Garcia, Guirlanda Maria Maia de Castro Benevides e Maria de Lourdes Alencar

Leave a Reply