Lançamento: O trabalho pós reforma trabalhista – 28/6

EVENTO 

O Instituto de Economia da Unicamp, através de seu centro de Estudos Sindicais e Economia do Trabalho (Cesit), convida para o lançamento do livro “O trabalho pós reforma trabalhista (2017)”, organizado por José Dari Krein, Marcelo Manzano, Marilane Oliveira Teixeira e Patrícia Rocha Lemos, em parceria com o Ministério Público do Trabalho (MPT) e a Rede de Estudos e Monitoramento Interdisciplinar da Reforma Trabalhista (Remir). 

No decorrer dos dois volumes sobre “O Trabalho” e “Negociações Coletivas” pós-reforma trabalhista de 2017, temos um sólido caminho de reflexão sobre a concepção, implementação e, principalmente, sobre os resultados das mudanças ocorridas no mundo do trabalho, no Brasil, a partir da aprovação da Lei nº 13.467 de 2017. A extensa obra organizada por José Dari Krein, Marilane Oliveira Teixeira, Marcelo Manzano e Patrícia Rocha Lemos reuniu pesquisadores do trabalho de várias instituições brasileiras, sob coordenação do Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho do Instituto de Economia da Unicamp (Cesit-IE/Unicamp), da Rede de Estudos e Monitoramento da Reforma Trabalhista (REMIR) e do Ministério Público do Trabalho (MPT). 

Ao longo de seus vários capítulos, aborda os impactos da reforma trabalhista sobre a economia e sobre o mercado de trabalho, os efeitos sobre a dinâmica da estrutura ocupacional, do emprego e da desigualdade salarial no Brasil, assim como o avanço das formas de contratação flexíveis, o teletrabalho, plataformas digitais, alterações na jornada de trabalho, impactos sobre o movimento sindical, nas negociações coletivas e sobre as instituições públicas do trabalho, entre outros. 

A rigorosa abordagem dos temas, assim como a organização da obra, deixa claro os principais resultados de uma pesquisa coletiva feita por várias mãos em diferentes instituições: sob impacto da reforma trabalhista, a economia brasileira prosseguiu a trajetória de relativa estagnação iniciada em 2015, o volume de empregos prometidos não foi gerado, ampliou-se a desigualdade ocupacional e salarial com o avanço de formas flexíveis de contratação, uso e remuneração da força de trabalho, em um cenário de enfraquecimento dos sindicatos, das negociações coletivas e das instituições públicas do trabalho. 

Longe de promover a retomada do desenvolvimento brasileiro, a reforma trabalhista acentuou a histórica desorganização do mercado de trabalho, sendo aliada da crescente desorganização da economia nacional no período recente. 

Denis Maracci Gimenez
Professor do Instituto de Economia da Unicamp e Diretor do Cesit-IE da Unicamp

Quando: 28 de junho, às 18h. 

Link para participarhttps://youtu.be/_JQqVZ7f8UY 

Font Resize